Arte, Elas

a sensibilidade de nathalie edenburg em “How do I feel today”

Por Beatriz Pinho | 30 de maio, 2016

Que “de louco todo mundo tem um pouco” nós já sabemos. A novidade, agora, é que “o tratamento, cada um faz do seu jeito.”

No caso de Nathalie Edenburg, louca mesmo talvez ela nem seja tanto. Mas o tratamento que criou para aprofundar seu auto-conhecimento e superar certos dramas revelou-a, na verdade, como uma excepcional artista. A terapia da qual estamos falando, praticada pela modelo mineira, de 24 anos, diz respeito às intervenções que fez com desenhos e pinturas em retratos seus, todos os dias, ao longo de um ano.

O projeto que foi chamado de “How do I feel today” teve início no dia primeiro de janeiro de 2015, com a proposta inical de “exercitar a arte uma vez por dia, e incentivar as pessoas a praticarem-na também em seu cotidiano, em suas diferentes formas de expressão”, como a própria Nathalie conta.

O processo, no entanto, foi se revelando cada vez mais profundo: mostrou-se como um desejo de despertar nas pessoas o lado da arte que as faz conectar com elas mesmas. Mostrou-se como um verdadeiro desafio, que exige disciplina e foco, mas que resulta numa intensa forma de auto-conhecimento e numa maneira de relaxamento. Tudo isso no formato de um diário de arte de sua vida, no qual são expressos vários humores e estados de espírito seus – ela fala ao bloginvoga.

A foto usada como base de todas as obras foi clicada por Rogério Mesquita. Ela começa sempre igual, mas logo depois que passa pelas intervenções de Nathalie, se mostra completamente diferente da anterior. Passa de um semblante neutro para uma vibrante sensação emocional.

Os maravilhosos efeitos terapêuticos do projeto, após concluído com o término do ano, passam do individual para o coletivo. Os quadros da modelo já foram expostos no último SPFW, e agora, sua intenção é que o dinheiro arrecadado com suas vendas seja revertido no financiamento de materiais de arte para instituições carentes do Brasil. Além disso, Nathalie pretende realizar workshops em favelas, utilizando da arte como ferramenta de incentivo à educação.

O “How Do I Feel Today”, por fim, revela suas diferentes facetas. O projeto demonstra seu cunho social, nos convida a despertar o artista que há dentro de cada um de nós e expressa a beleza por detrás da aparência e que se encontra, na realidade, na expressão do verdadeiro sentimento.